Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vou só ali desligar o mundo e já volto...

por Bolinha de Pelo, em 02.06.16

Geralmente quando escrevo posts mais pessoais uso a definição para serem lidos só pelos utilizadores que sigo, mas desta vez não vou ter esse "cuidado" .

Nunca fui o tipo de pessoa do estilo “Age com as pessoas como agem contigo”,”Paga com a mesma moeda”,”Fazem, faz igual”, essas coisas, porque sempre vi essa forma de agir como estar a fazer algo premeditado, fazer igual só porque a outra pessoa fez ou faz , agir de forma contrária à nossa personalidade, à nossa forma de ser e estar na vida.

Também não sou o tipo de pessoa que entre em provocações, ou que dê sequer hipótese a que alguém consiga enfiar no “rol” das provocações, o que quer dizer, que quando alguém tenta entrar comigo numa espécie de indirectas ou picanço,o que acontece actualmente no facebook, porque as pessoas simplesmente deixaram de interagir frontalmente, para se manifestarem com indirectas ou posts através do facebook, simplesmente finjo que não percebi e às vezes até tenho a ousadia de meter um gosto no post, mesmo quando sei que tal post foi dirigido exclusivamente a mim.

talvez, esta minha forma de agir faça algumas pessoas pensarem que eu deva ser alguma totó. O tipo de pessoa que não dá o troco na mesma moeda,o tipo de pessoa que perante uma atitude menos boa do outro lado fica magoada, se cala , finge que não percebeu e tenta ultrapassa-la com o pensamento somente para si “Eu nunca agi assim e não mereci”, o tipo de pessoa que mete gostos nas publicações dirigidas a si como se não as tivesse entendido. Talvez, tudo isto junto, e mais algumas coisas no meu feitio leve algumas pessoas a terem algumas atitudes de subestimação em relação a mim.

A verdade, é que este tipo de situações e tantas outras vão cansando, porque nos apercebemos que somos mais “amigos” do que o “amigo” , respeitamos mais o “amigo” do que ele nos respeita a nós, e ao mesmo tempo, e mais grave, que interagimos com pessoas que no fundo não nos conhecem e nos valorizam tão pouco....umas vezes acabo mesmo por "rebentar" , mas a maior parte das vezes opto por me afastar sem dar nem pedir explicações.

Ultimamente, a minha disposição não tem sido das melhores, a minha falta de paciência então, tem-se encontrado nos limites, e tem sido muito poucos os convites que tenho aceite para sair, umas vezes por falta de disponibilidade mesmo, e outras simplesmente porque não me sinto bem e não me apetece, e apercebi-me de uma coisa, quando nos encontramos menos disponíveis no tempo das pessoas para quem sempre estivemos disponíveis cada vez que lhes apetecia, elas simplesmente não o aceitam, não aceitam que o tempo que nos “escolhem ter” digamos “não”, que o tempo delas, que decidem nos reservar se torne indisponível, na verdade, não aceitam que percamos o papel de trouxa e sejamos iguais a elas, pessoas que escolhem o seu tempo como bem entendem e escolhem quem incluir no seu tempo também segundo as suas escolhas...e...ficam ofendidas e saltam para o facebook com indirectas...

Obviamente que não me estou a referir a todos os meus “amigos”, pois apesar de poucos , tenho alguns que conhecem esta minha forma de ser e me respeitam, talvez seja isso que os torna realmente amigos, o conhecerem-me e as suas atitudes, mesmo naquelas “birras” básicas entre amigos nunca manifestarem qualquer indicio de subestimação, que não usam sites sociais como “fisga” em direcção aos outros, que não “cobram” tempo quando lhes apetece, mas pelo contrario “dividem” o seu tempo com prazer quando existe uma disponibilidade e uma disposição mutua, que entendem quando não nos sentimos bem, que aceitam quando não temos paciência,que percebem quando estamos tristes, enfim, pessoas que nos tornam a vida mais fácil no meio da confusão em que por vezes nos encontramos ,e não nos fazem sentir pior através das suas atitudes.

Penso, até que ponto, a opinião que algumas pessoas tem sobre nós, pode ser tão medíocre que se sentem no direito de perante uma recusa para uma imperial, sem saberem quais as razões pelas quais não pudemos ir, publicarem no face uma foto nesse momento a beberem uma imperial com o titulo “olha, olha antes só que mal acompanhada”...

Sinceramente às vezes sinto-me mesmo cansada e só tenho vontade de desaparecer, na verdade sinto-me tão cansada que se antes tentava justificar as minhas atitudes, actualmente sinto-me no direito de não o fazer.

13312630_890800957692947_539497219378108463_n.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:18


2 comentários

De Psicogata a 03.06.2016 às 11:04

Ignorar e não responder na mesma moeda é um ato de superioridade, quando se trata de uma situação isolada é mesmo o melhor a fazer, quando o fazemos com pessoas que lidamos no dia-a-dia e nos sujeitam a situações incómodas, a experiência diz-me que devemos responder porque ao não respondermos permitimos que essas pessoas perpetuem esse comportamento parvo, que às vezes é quase inofensivo não fosse ser recorrente.
Quanto às amizades estou convencida que algures na minha geração as pessoas deixaram de saber ser amigas, cobram em vez de oferecer e refugiam-se num egoísmo parvo, descartam as pessoas por coisas insignificantes e amigos verdadeiros são tão raros que às vezes até questiono se existem.
Afasta-te das pessoas que te fazem mal, elas não merecem a tua atenção, se achas que valem a pena tem uma conversa franca com elas, demonstra-lhe que pessoas adultas não devem usar o Facebook para afrontar os amigos.
Beijinhos

De Bolinha de Pelo a 06.06.2016 às 18:30

Uma grande verdade...a maior parte das pessoas deixaram de saber ser amigas e convivem com os outros de uma forma egoísta...e eu decidi fazer a minha vida como me apetece e não como os outros lhes apetece...estou mesmo cansada de certas situações...

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor